Últimas Notícias

Dia Diocesano do Catequista em Vila Real

Foi no Seminário de Vila Real que teve lugar, na quarta-feira, 5 de outubro, o dia Diocesano do Catequista, tendo como mote o tema da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023: «Maria levantou-se e partiu apressadamente». Contou com a participação de um elevado número de catequistas, que chegaram dos mais diversos pontos da Diocese.

Dando cumprimento ao programa, muitos foram os momentos de reflexão partilhados entre os presentes, momentos de convívio e animação, propícios ao acolhimento e à oração, mas também à participação nos diferentes ateliers e respetivo plenário, almoço e da celebração do compromisso e envio dos catequistas, presidida pelo senhor D. António Augusto Azevedo, bispo da Diocese.

Após o tempo de apresentação e reflexão dos temas em pequeno grupo, chegou a altura do plenário que foi um momento muito participado por todos. Foi notória a preocupação dos catequistas na formação e acompanhamento dos jovens nos dias de hoje. Estes precisam ser respeitados na sua liberdade, necessitam também de ser acompanhados, escutados, sendo que a família deveria ser o 1.º espaço dessa escuta, desse acompanhamento; a comunidade também desempenha um papel preponderante, devendo sentir-se responsável por acolhê-los, motivá-los, encorajá-los… o que implica que se lhes seja dedicada compreensão, estima e afeto e que não sejam julgados continuamente ou lhes seja exigida uma perfeição que não corresponde à sua idade.

Muitas foram as experiências partilhadas, ouviram-se testemunhos de catequistas, vivências relacionadas com os ícones da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023, e ainda houve tempo para a apresentação e divulgação da página do Facebook do Secretariado Diocesano da Educação Cristã, com a explicação do respetivo logotipo, entre outras.

Foi notória a alegria do encontro, o envolvimento, gosto, empenho e dedicação dos(as) participantes.

O encontro terminou com a Celebração do Compromisso e Envio dos Catequistas na Sé presidida pelo senhor D. António Augusto Azevedo que considerou o dia em si como uma ocasião única e especial, pela forma como decorreu, pelo entusiasmo e participação de todos, “uma importância suplementar, porque ser catequista é um dom, uma missão, um ministério para a renovação das nossas comunidades”.

Deixou ainda um ato de agradecimento de vidas dadas, vidas marcantes ao longo destes 100 anos da Diocese, de um “Crescer com Raízes”, na importância da atenção que se dá às raízes, no frutificar com alegria, pois a semente da alegria e da Palavra… essas se encaixam nas suas memórias com a marca de alegria e de autenticidade no modo como se usa.

Lina Aires